segunda-feira, 4 de março de 2013

TRANSMISSÃO DO PENSAMENTO (TELEPATIA) É AMPLAMENTE DEMONSTRADA EM LABORATÓRIO


Fonte da imagem: http://www.reymisterios.com/videos/enigmas/Telepatia/La-telepatia-existe-hay-pruebas-cientificas-l280.html

Fábio José Lourenço Bezerra

            Na pergunta Nº 282 de “O Livro dos Espíritos”, temos: “Como se comunicam entre si os Espíritos?”
            Resposta: “Eles se veem e se compreendem. A palavra é material: é o reflexo do Espírito. O fluido universal estabelece entre eles constante comunicação; é o veículo do pensamento como, para vós, o ar é o do som. É uma espécie de telégrafo universal, que liga todos os mundos e permite que os Espíritos se correspondam de um mundo a outro.”
           
Na pergunta Nº 420 da mesma obra, temos: “Podem os Espíritos comunicar-se, estando completamente despertos os corpos?”
            Resposta: “O Espírito não se acha encerrado no corpo como numa caixa; irradia por todos os lados. Segue-se que pode comunicar-se com outros Espíritos, mesmo em estado de vigília, se bem que mais dificilmente.”

       Na pergunta Nº 421, temos: “Como se explica que duas pessoas, perfeitamente acordadas, tenham instantaneamente a mesma ideia?”
          Resposta: “São dois Espíritos simpáticos que se comunicam e veem reciprocamente seus pensamentos respectivos, embora sem estarem adormecidos os corpos.”

            No nosso texto anterior O Mundo Espiritual, neste blog, já havíamos falado a respeito do Fluido Cósmico Universal que, conforme os Espíritos da codificação, é o único elemento primitivo, cujas combinações e modificações dão origem tanto à matéria do nosso mundo material quanto à do mundo espiritual. Esse elemento encontra-se presente, de forma abundante, tanto no mundo espiritual quanto no mundo material, no qual ambos estão imersos.
No texto O Mundo Espiritual – Parte 2, falamos que, assim como as estações de rádio FM emitem ondas nas mais diversas freqüências, transportando através delas sua programação, os Espíritos irradiam seus pensamentos, através de energia emitida pelo seu corpo espiritual, que são captados por outros Espíritos sintonizados com eles. Da mesma forma que os ouvintes escutam sua programação sintonizando com determinada estação, ao ajustar o seletor do aparelho de rádio na freqüência correta. Fluido Cósmico Universal é o veículo do pensamento, assim como, no mundo material, o ar transporta o som.

Em seu livro “Mentes Interligadas”, editado no Brasil pela Aleph, o cientista Dean Radin, mestre em Engenharia Elétrica e PhD em Psicologia pela Universidade de Illinois, menciona experiências que, se ignoradas, conforme o próprio autor diz em seu livro, seria como perder a notícia da “aterrissagem de alienígenas no gramado da Casa Branca”.
Trata-se de experiências de “correlação eletroencefalográfica” entre pares de pessoas separadas fisicamente.  Eletroencefalograma (EEG) é um equipamento médico que detecta o padrão das ondas elétricas cerebrais, gerando um gráfico através do qual o médico pode analisar a normalidade do funcionamento do cérebro.
As experiências supracitadas são realizadas da seguinte forma:  Um determinado indivíduo, chamado emissor, é ligado ao EEG e estimulado sensorialmente, como, por exemplo, através de uma luz que pisca de tempos em tempos. O objetivo disso é que uma parte do cérebro deste indivíduo dê um salto elétrico de maneira previsível, e então observa-se o EEG de outro indivíduo separado fisicamente daquele (receptor), para verificar se ocorreu um salto semelhante na mesma hora (ver figura abaixo).

As duas primeiras dessas experiências ocorreram nos anos 60. A primeira delas foi realizada por Charles Tart, na Universidade da Califórnia, tendo sido publicada, em 1963, no International Journal of Parapsychology . A outra, com a participação de gêmeos idênticos, foi publicada na importante revista científica Science, em 1965. Os artigos acima estimularam a realização de dez réplicas, feitas por oito grupos de estudo distintos em diversas partes do globo. Desses dez estudos, oito tiveram resultado positivo, sendo que um deles foi publicado em uma das mais conceituadas revistas do planeta, a Behavioral Neuroscience.
Na Universidade Nacional Autônoma, no México, o psicofisiologista Jacobo Grinberg-Zylberbaum e outros cientistas, cerca de dez anos após as experiências acima citadas, realizaram uma série de estudos onde detectaram, através do EEG, respostas cerebrais simultâneas em pares de pessoas estudadas separadamente.  Um deles foi publicado na revista científica Physics Essays. Esta publicação também estimulou vários outros cientistas a repetirem o experimento. No ano de 2003, uma dessas repetições foi realizada com sucesso, pelo especialista em EEG Jiri Wackermann que, juntamente com seus colegas, aperfeiçoou o método de investigação em vários pontos. A experiência foi publicada na revista Neuroscience Letters. Eis a conclusão da equipe de estudos de Wackermann:

“Estamos enfrentando um fenômeno que nem é fácil de descartar como falha metodológica ou artefato técnico, nem em ser entendido em sua natureza. Nenhum mecanismo biofísico conhecido na atualidade poderia ser responsabilizado pelas correlações observadas entre os EEGS de dois sujeitos experimentais separados.”

Outro experimento semelhante que obteve êxito foi realizado na Universidade Bastyr, por Leanna Standish e sua equipe. Dessa vez, utilizaram no indivíduo receptor (aquele que recebe o pensamento emitido pelo outro indivíduo telepaticamente) um aparelho de ressonância magnética funcional, capaz de visualizar o funcionamento de áreas específicas do cérebro. Antes da realização do experimento, examinaram trinta pares de indivíduos até encontrar o par capaz de correlacionar-se confiavelmente. Separaram os indivíduos, estimularam o emissor através de uma luz que piscava, verificando, através do aparelho de ressonância, que o receptor tinha aumentada, de forma significativa e ao mesmo tempo, a atividade de sua área do cérebro responsável pela visão, o córtex visual. Este mesmo grupo repetiu plenamente o sucesso deste experimento, em realização posterior. O estudo foi publicado na revista médica Alternative Therapies In Health and Medicine.
No ano de 2004, três outros estudos posteriores, independentes, foram realizados com total êxito. Um deles foi publicado no Journal of Alternative and Complementary Medicine.
Outros estudos, além dos que citamos, foram realizados com sucesso, inclusive pelo próprio Dean Radin, utilizando-se de uma câmara com escudos eletromagnéticos e acústicos, onde ficava o receptor, para garantir que nenhum meio físico conhecido, embora imperceptível, fosse responsável pela transmissão do pensamento.
Troca de informações instantâneas, independente da distância entre emissor e receptor, e através de um meio totalmente desconhecido pela ciência, ocorrem comprovadamente na natureza. Conforme já nos referimos no texto Por Que Ser Espírita?, neste blog, duas partículas subatômicas (elétrons, por exemplo), estando inicialmente em contato, podem trocar informações entre si de forma instantânea, não importando a distância a que estejam afastadas uma da outra, se de centímetros ou de milhões de quilômetros. E isto sem nenhuma conexão física conhecida entre elas. Seria como se eu, aqui no Brasil, estalasse os dedos e alguém no Japão fizesse a mesma coisa no mesmo instante, sem nenhum meio de comunicação entre nós. Einstein chamou isso de “efeito fantasmagórico à distância”. Esse efeito, cuja existência é experimentalmente comprovada, e a respeito do qual a ciência ainda não tem nenhuma explicação, é hoje conhecido como Entrelaçamento Quântico.
 Assim, um conceito que os Espíritos nos legaram há mais de 150 anos atrás, a transmissão do pensamento, só recentemente, com o avanço da ciência e da tecnologia, pôde ser comprovado em laboratório. E com todo o rigor científico.  Contudo, mais uma vez verificamos que boa parcela da comunidade científica, composta por crentes materialistas, preferiu ignorar um fato como este, que desafia o modelo de universo que pregam, apesar das graníticas evidências que possui o mesmo.

BIBLIOGRAFIA CONSULTADA

1 KARDEC, ALLAN. O Livro dos Espíritos. Rio de Janeiro : Editora FEB,1995.;

2 RADIN, Dean. Mentes interligadas: evidências científicas da telepatia, da clarividência e de outros fenômenos psíquicos. São Paulo: Editora Aleph, 2008;

3 GOSWAMI, Amit. A física da alma: a explicação científica para a reencarnação, a imortalidade da alma e experiências de quase-morte. São Paulo: Editora Aleph, 2005.

4 comentários:

  1. Olá aconteceu uma coisa muito mais muito estranha comigo. Vou ser sincera eu nunca acreditei em conversa entre espíritos ou coisa parecida, mas diante do que aconteceu eu agora só posso acreditar.

    ResponderExcluir
  2. Bem, tive um relacionamento a mais de 10 anos que durou 10 anos. Muito intenso mas que acabou, vida que segue, o que ocorre é que o rapaz em questão ficou muito doente e foi para uti. Antes disso sonhava as vezes com ele, normal devido tantos anos, mas depois da doença passei a sonhar sempre e a nossa conversa no sonho foi ficando cada vez mais clara ao ponto de ele reclamar do tratamento do hospital em questões que eu nunca havia ouvido falar. No último sonho ele me disse que estava muito mal e não tinha mais esperança. Eu gostaria de saber algo a explicação para isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Dumel!
      Quando nosso corpo físico está em repouso, seja durante o sono, anestesiado ou em coma, nosso Espírito está relativamente liberto dele. Nesse caso, o que nos prende a ele é um fio fluídico, que só é rompido durante a morte. Esse fenômeno se chama desdobramento espiritual. Nesse estado, por vezes, podemos nos deslocar e entrar em contato com outras pessoas, sejam desencarnados ou encarnados que estejam adormecidos. Acredito que tenha sido esse o caso.

      Abraços fraternos,

      Fábio

      Excluir
  3. Telepatia é uma forma de mediunidade?

    ResponderExcluir